Dicas para reduzir a ansiedade

Sentes-te ansioso/a e não sabes como ultrapassar?

Deixamos-te algumas dicas para reduzir a ansiedade:

1) Utilizar técnicas de relaxamento: Praticar ioga, meditação, mindfulness, exercícios de respiração. Um exemplo de exercício de respiração é a Respiração diafragmática: coloca-te numa posição confortável, com a mão sobre o estomago inspira, sente o ar a entrar e o teu abdómen a subir. Ao inspirar conta até 4 (mentalmente). Mantem o ar nos pulmões e conta até 2 (mentalmente). Expira lentamente e conta até 6 (mentalmente). Repete o processo duas a três vezes. Se sentires ligeiras tonturas é normal. Abranda o ritmo da respiração e diminui o tempo em que susténs o ar.

2) Escrever os teus pensamentos e sentimentos: Escreve sobre o que te está a preocupar e o que estás a sentir. Escuta o teu corpo para perceberes do que é que ele precisa: se estás triste tenta perceber porquê. Podes escrever num diário, no computador. Para além de te ajudar a identificar a(s) causa(s) da ansiedade, vais conseguir encontrar estratégias que te ajudem a reduzir a ansiedade. Com este exercício vais perceber que sentimentos não são factos.

3) Ter rotinas de autocuidado: é importante cuidar de nós próprios. Do que precisas para aumentar a sensação de bem-estar? Pode ser conversar com alguém sobre o que sentes, caminhar, tomar um banho quente, ouvir música, ler um livro, cozinhar, pintar, praticar exercício físico, …

4) Manter uma atitude positiva: ter uma atitude positiva não significa ignorar situações desagradáveis, apenas abordar as situações menos agradáveis de forma mais positiva, eficiente e produtiva. Faz uma lista dos pensamentos negativos que costumas ter quando te sentes ansiosa/o e substitui por outros pensamentos positivos - “eu não consigo porque nunca fiz isto antes – aqui está uma oportunidade para aprender algo novo”.

Lidar com a ansiedade pode ser esgotante, mas não tens de a enfrentar sozinha/o!
Se os teus sintomas interferem significativamente no teu dia-a-dia, provocando mal-estar e dificuldades, deves procurar ajuda profissional (médico família, psiquiatra, psicólogo, terapeuta).

Facebook Twitter